Protetores defendem proibição de animais em filmes

Compartilhe:

Vídeo denuncia maus-tratos em set do longa 4 Vidas de um Cachorro e gera movimento por boicote

Foto: Divulgação Longa tem estreia prevista para o dia 26

Foto: Divulgação
Longa tem estreia prevista para o dia 26

Vídeo publicado pelo site TMZ que mostra cão sofrendo maus-tratos durante as gravações do filme 4 Vidas de um Cachorro ganhou a internet nesta semana. Nas imagens, o animal parece que tenta entrar em correnteza e está claramente em pânico. O episódio gerou movimento pelo boicote ao longa, que tem lançamento previsto para o dia 26 de janeiro. Produtores do filme disseram desconhecer o vídeo e prometeram investigar o caso.

quatro-vidas-de-um-cachorro-abuso

Imagem de vídeo da TMZ mostrando cão durante gravação Foto: Reprodução/TMZ

Estilo Angélica ouviu protetores de animais sobre o uso de animais em filmes e propagandas. “Atualmente há muita tecnologia para manter os animais fora dos sets de filmagens. Ainda que não houvesse tais opções, deveríamos estar cientes de que os animais não têm interesse em estar ali. Casos de maus-tratos são praticamente inerentes às filmagens. Não falo de alguém batendo no animal propositalmente, mas pelo risco envolvido na atividade”, afirma o fundador e infoativista do portal vegano Vista-se e colunista do portal de notícias R7, Fabio Chaves.

Fabio também atua como consultor da Frente Parlamentar em Defesa dos Direitos dos Animais no Congresso Nacional e está prestes a lançar, em fevereiro, o livro Nenhum animal merece ser considerado um ingrediente.

MUDANÇAS

De acordo com a protetora independente de animais de São Caetano Erika Mourão, a empresa especialista em treinamento animal contratada pela produção do filme já foi alvo de denúncias de maus-tratos. “Desconfio que este vídeo que vazou não foi o único caso. É preciso ter leis mais rígidas sobre uso de animais em filmes e propagandas. O que acontece é que há toda uma indústria por trás disso que, muitas vezes, só pensa em lucrar, e não no bem estar do animal”, destaca.

Cristina Soto Espinosa, que atua com proteção de animais em Mauá, afirma que este é apenas um caso que veio à tona. “É tolice pensar que em os outros filmes não houve maus-tratos. Para mim, o correto seria não utilizar animais em nada que eles fossem obrigados. Eles ficam em pânico porque não conseguem entender que aquilo não passa de filmagem. Acredito que animais em filmes é o mesmo que em circos e deveriam ser proibidos.”

Posts relacionados

Deixe um comentário: