Polo Petroquímico realiza campanha contra soltura de balões

Gostou? Clique e Compartilhe:

ESTILO ANGÉLICA – O ABC DO MELHOR PARA VOCÊ


Com panfleto e vídeo animado, iniciativa alerta sobre perigos da prática criminosa

Imagem: Divulgação

Imagem: Divulgação

Os balões representam o principal risco externo para o Polo Petroquímico, que registrou a queda de um balão por semana, em média, entre os meses de janeiro e março deste ano. Em razão disso, o Comitê de Fomento Industrial do Polo do Grande ABC (COFIP ABC) e o Plano de Auxílio Mútuo Capuava (PAM Capuava) realizam a companha Balões: Perigo e Crime.

Com realização até julho, a iniciativa conta com distribuição de panfletos e divulgação de vídeo animado https://youtu.be/j8DAIZAT05s nas redes sociais. As peças da campanha enfatizam que fabricar, comercializar, transportar e soltar balões são ações criminosas passíveis de punição, que pode chegar a três anos de detenção, conforme a lei federal 9.605 (Lei de Crimes Ambientais).

O foco da campanha é alertar sobre os perigos desta prática criminosa. “Além do risco de gerar queimadas e incêndios, um balão aceso pode atingir cabos de energia elétrica e provocar grandes apagões”, explica Valdemar Conti, vice-coordenador do PAM Capuava. O balão também oferece perigo à aviação – ao se chocar com um avião, o artefato pode ser sugado pela turbina, o que gera o risco de queda da aeronave.

De 2001 a 2018, mais de 1.300 ocorrências com balões já foram registradas no complexo industrial, conforme os indicadores do PAM Capuava.

Estatística

2015 –  99 quedas de balões;
2016 – 85 quedas de balões;
2017 – 83 quedas de balões;
2018 – 123 quedas de balões.

“O ano passado atingiu a segunda maior marca já registrada. O pico ocorreu em 2014, com o registro de 207 balões”, aponta Conti.

Quando um balão é avistado em rota de queda na região do Polo, os brigadistas acionam o sistema interno de comunicação para fazer o alerta e podem atuar com rapidez por meio de vias que interligam as plantas industriais. Em viaturas equipadas com canhões, que podem ser acoplados a qualquer linha da rede de hidrante, é possível abater o balão ainda no ar.

Para fazer uma denúncia anônima sobre soltura de balões, a recomendação é ligar para o Disque Denúncia (181) ou para a Polícia Militar (190).

Imagem: Divulgação Designer de imagens: Maristela Kenes Nicoletti

Imagem: Divulgação
Designer de imagens: Maristela Kenes Nicoletti


Logotipo (1)

 




 

 

Gostou? Clique e Compartilhe:

Posts relacionados

Deixe um comentário: