Horizonte Profundo: tragédia na telona

Compartilhe:

Filme de ação traz história sobre o maior desastre da indústria do petróleo nos Estados Unidos

Por Camila Galvez

Fotos: Divulgação

Fotos: Divulgação
Desastre deixou 11 mortos

Horizonte Profundo – Desastre no Golfo chama a atenção inicialmente pelo fato de se tratar de história baseada em fatos reais. Foi o que atraiu esta repórter do Estilo Angélica ao cinema. Por saber do desastre iminente – citado no complemento do título em português, uma mania do cinema no Brasil -, mas também por mérito do diretor Peter Berg (Hancock), a tensão é latente desde o início, quando somos apresentados à família de Mark Willians (Mark Wahlberg). Ele é engenheiro e um dos trabalhadores que se prepara para embarcar na plataforma de petróleo Deepwater Horizon (nome do longa em inglês).

Uma das primeiras cenas mostra, de forma criativa, a descrição do trabalho de Mark pelos olhos de sua filha, que apresentará atividade na escola e usa uma lata de refrigerante para explicar que seu pai ‘doma’ os dinossauros – fossilizados e transformados em petróleo, claro. O líquido estoura pelo canudinho em plena mesa da cozinha e representa o prenúncio do que vem pela frente.

NARRATIVO

Apesar de prender o telespectador ao recontar a história do maior desastre da indústria do petróleo dos Estados Unidos, ocorrido em 2010 no Golfo do México, não há muita inovação no estilo narrativo da trama. A fotografia impressiona pelo tamanho e detalhamento da tragédia, que deixou 11 trabalhadores mortos, 16 feridos e um rastro de destruição no oceano. As cenas de ação são chocantes e valem o ingresso.

deepwater4

Cenas de ação mantêm narrativa acelerada

A narrativa busca mesclar a parte técnica do trabalho desenvolvido em uma plataforma de petróleo. O termos usados podem confundir um pouco o público leigo com o lado emocional das pessoas que enfrentaram o drama do vazamento seguido de incêndio que atingiu a estrutura.

Ponto negativo é referência ambiental ficar quase de fora da história, exceto por única cena em que uma ave aparece se desatendo na embarcação, coberta por lama misturada ao petróleo. Vale lembrar que o acidente teve consequências severas.

Ponto positivo para a direção foi trazer às claras os reais responsáveis pela tragédia: a ganância dos executivos da BP (British Petroleum), personificados em Donald Vidrine, papel do ótimo ator John Malkovich, que, mesmo diante de uma sucessão de problemas técnicos com a plataforma, autoriza o início da extração de lama do local.

Spoiler dos créditos finais para você ficar, no mínimo, com raiva: Vidrine foi acusado de homicídio culposo, porém, inocentado pela justiça. Ou seja, ninguém pagou pelas mortes.

LANÇAMENTO

animais-fantasticosHoje (quinta-feira, 17 de novembro) chega aos cinemas a aguardada história baseada no universo de Harry Potter, de J.K.Rowling, Animais Fantásticos e Onde Habitam. O longa traz o excelente ator Eddie Redmayne – que concorreu ao Oscar neste ano (ao lado do ganhador Leonardo DiCaprio) – no papel de Newt Scamander, bruxo estudioso das criaturas mágicas.

Ele viaja a Nova York com uma maleta cheia delas e, quando os bichos escapam, precisa de ajuda de bruxos e trouxas (termo para os não-bruxos) para recapturá-los.

O roteiro foi escrito pela própria Rowling, com base em seu livro de mesmo nome. A direção é de David Yates, responsável pelos últimos quatro filmes da franquia Harry Potter. Estilo Angélica indica!

Posts relacionados

Deixe um comentário: