Campanha do Crami contra violência infantojuvenil repercurte em aumento de denúncias

Previous Image
Next Image

info heading

info content


Noventa por cento dos casos de violência com crianças e adolescentes no Grande ABCD não são denunciados. Este é um dado obtido por meio de um estudo realizado pelo Crami – Centro Regional de Atenção aos Maus Tratos na Infância do ABCD, que entre os meses de outubro e novembro veicula campanha que estimula a denúncia de qualquer tipo de violência infanto-juvenil. Segundo a direção do Crami, após um mês, a campanha já mostrou resultados, como o aumento significativo nos números de denúncia.

Telma Armidoro Velasco, psicóloga e assistente técnica do Centro, explica que o dado inclui casos de negligência, violência sexual, física e psicológica que não chegam ao conhecimento das autoridades e que, apesar de ter sido colhido durante pesquisa realizada no Grande ABC, ele reflete a realidade do País. Outro dado importe: na maior parte dos casos, os autores são os próprios pais.

CAMPANHA

O Crami colocou ao longo do mês passado nas ruas a campanha de alerta desenvolvida pela agência GO!. Foram eleitas, principalmente, ações de alto impacto, como uso de outdoor, busdoor e ações de Live Marketing, com abordagem direta ao público. O intuito é que a  população fique mais atenta aos mínimos sinais dados criança. A criação foi baseada em algumas brincadeiras infantis tradicionais, como esconde-esconde, telefone de lata, gangorra e cabaninha, mostrando sempre o olhar da criança sobre os mais diversos casos de violência.

Duas ações diferentes de Live Marketing foram realizadas. Na primeira, algumas pessoas circularam por ruas movimentadas do ABC com placas que indicavam a prática de alguns tipos de violência, no verso a mesma placa tentava explicar a ação com a frase “Não é tão fácil identificar quem comete abusos contra crianças e adolescentes. Denuncie. Disque 100”. Na segunda, um ringue foi montado em um dos principais shoppings da região, mostrando as lutas vividas por algumas crianças dentro da própria casa, como humilhação, ausência, etc.

Para conhecer mais sobre o Crami, a campanha e seus projetos acesse o site: www.crami.org.br.

 

Posts relacionados

Deixe um comentário: